Produtores do audiovisual do RJ driblam a crise usando a economia criativa e emplacam produções no streaming

As séries “RIO” e “O JOGO” estão no catálogo da Amazon Primevideo e foram idealizadas em um modelo de produção baseada na economia criativa e compartilhada

Na foto, os produtores Marcelo Caldas e Felipe Bretas. Foto: Divulgação

 

Nesse período de pandemia, mesmo com todas as dificuldades do setor audiovisual, produções com baixo orçamento, mas baseadas em muita criatividade ganham espaço no setor.

Os produtores Marcelo Caldas e Felipe Bretas, da Agência MentoresHUB e da produtora Multiphocus, implantaram uma metodologia de produção onde é possível com menos de R$80 mil reais produzir longa metragens e séries. A metodologia foi batizada de “MentoresLab 3C” que consiste em um modelo de produção compartilhada, colaborativo e criativo da captação a venda, testado na prática pelos próprios produtores.

Com projetos desenvolvidos dentro desta nova realidade, onde o volume de locações, elenco, produção tem de ser bem reduzido, e também pensando em roteiros contemporâneos que dialoguem com o mercado e o público alvo, a MentoresHUB consegue produzir de acordo com os novos protocolos séries e filmes, capazes de figurar em importantes canais e plataformas como Netflix, Amazon e Globoplay.

A Mentores HUB já possui cases de sucesso em que foram utilizados o conceito 3C, e o resultado já pode ser assistido no streaming, no Amazon Primevideo, são as séries “RIO” e “O Jogo”, sucesso de público e de crítica que comprovam que é possível contar uma boa história, com baixo orçamento e boa qualidade técnica. “Atualmente, a criatividade é a arma mais poderosa. Ela é capaz de superar alguns orçamentos altos. Como os de boa parte das produções veiculadas no YouTube, a maior parte de baixo custo, algumas dão mais ibope que produções de grandes emissoras de tv. O mais importante neste momento é ser criativo, tanto na captação como na divulgação. E desta forma sair na frente. E nós já estamos prontos para o novo normal”, ressaltam Marcelo Caldas e Marcello Krengiel da Mentores Hub.

“Nos adequamos a nova realidade do mercado e nos especializamos em coproduções e production service, atuando de forma colaborativa, no Brasil e no exterior. Utilizando esse método, só em 2020, já assinamos projetos em três das maiores plataformas de streaming do mundo, Netflix, Amazon e Globoplay”, pontua Felipe Bretas da produtora Multiphocus.

Neste HUB de criação também estão as empresas  G0-UP, do ator e empreendedor Lipy Adler, Spoiler Filmes, do produtor executivo e fotógrafo Marcello Krengiel, a Moviment, do ator Ronan Horta, DANREC ,do diretor de fotografia e documentarista Guga Dannemann e PRIME, do produtor Marcos Klein ,o guru das redes socias e produções multiplataforma, entre outros.  “Estamos sempre buscando formas criativas nas redes para nossas produções chegarem ao público alvo desejado”, descreve Guga Dannemann, que está lançando o documentário “Ziraldo – Uma Obra que Pede Socorro” em circuito de festivais.

“Se o sistema não te representa, crie seu próprio sistema” comenta Lipy Adler, ator e criador do filme “O Último Virgem” considerada uma produção de baixo orçamento que foi uma das 20 melhores bilheterias de filmes nacionais entre os anos de 2016 e2017 nos cinemas. Hoje, o filme está na plataforma Globoplay e no Telecine. Lipy também é criador e co-produtor da série “O Jogo”.

Matéria anterior
Tchaka Drag Queen promete lives diárias no projeto “Muita Tchaka Nessa Hora”
Próxima matéria
Em entrevista ao apresentador Junior Mendes Carol Nakamura revela sobre casamento

Mais do É Pop

Menu